13/12/2010

VÂNIA BASTOS E OUTRAS SURPRESAS

É um privilégio!  29 de janeiro no Novo Lua Nova

Vânia Bastos iniciou sua carreira profissional no início dos anos 80 ao lado de Arrigo Barnabé, sendo solista de “Clara Crocodilo”- o disco marcante da chamada “Vanguarda Paulista”. Com Arrigo foi também a solista de “Tubarões Voadores”. Durante dois anos cantou com Itamar Assumpção na Banda Isca de Polícia. Em 1986 grava seu primeiro disco-solo e dentre seus dez trabalhos gravados tem discos lançados também no Japão e Europa. 
Dedicou Cds inteiros às canções de Caetano Veloso, Tom Jobim e Clube da Esquina, tendo as participações do próprio Caetano e de Milton Nascimento em gravações suas. 

Tem um único DVD, ”Tocar na Banda” , em comemoração a vários anos de vida artística.
Neste momento a artista está lançando “nabocadolobo” , álbum totalmente dedicado à obra de Edu Lobo, um dos maiores compositores brasileiros. Ronaldo Rayol é o diretor musical, arranjador e violonista deste álbum, que conta também com a participação do próprio Edu Lobo.
São ao todo 11 CDs e 1 DVD, conforme discografia abaixo:
-----------------------------------------------------------------

01-VÂNIA BASTOS ( 1986  )
02-EDUARDO GUDIN & VÂNIA BASTOS ( 1989 )
03-VÂNIA BASTOS ( 1990 )
04-CANTANDO CAETANO ( 1992 )
05-CANTA MAIS ( 1994 )
06-CANÇÕES DE TOM JOBIM ( 1995 )
07-DIVERSÕES NÃO ELETRÔNICAS ( 1997 )
08-BELAS E FERAS ( 1999 )
09-CANTA CLUBE DA ESQUINA ( 2002 )
10-TOCAR NA BANDA CD  E DVD ( 2007 )
11-NABOCADOLOBO ( 2010 )

09/12/2010

ADYLSON GODOY

É um privilégio ter tanta gente querida que tem a arte como missão. Em janeiro, nova temporada do projeto SÓ NÃO CANTA QUEM NÃO QUER.
Dia 22 de janeiro, eu e Ione Papas receberemos o maestro Adylson Godoy. Esse músico magnífico apresentará o Projeto Vida & Arte - show "Canto, Piano e Canções - 45 Anos"


ADYLSON GODOY (à esquerda na foto dos Irmãos Godoy), maestro, pianista, compositor e cantor, nasceu em Bauru, São Paulo . Cursou Direito pela Faculdade de Direito de Bauru. Iniciou seus estudos musicais aos dez anos, com a professora Nida Machioni e Efisio Anneda. Transferiu-se para São Paulo onde estudou com a professora Nellie Braga, assistente chefe do curso de alta interpretação pianística “Magdalena Tagliaferro”, diplomando-se pelo curso superior de piano.
Foi Diretor Musical dos programas “Fino da Bossa”, “Corte Royal Show” e “Programa Hebe Camargo”. Comandou o programa “Boa Tarde Cartaz”, na TV Excelcior.
Fez os arranjos do disco “Dois na Bossa Volume Dois”, de Elis Regina e Jair Rodrigues. Com duas composições suas “Tristeza Que Se Foi” gravada por Elis e “Santuário do Morro” gravada por Jair.
Obteve dezessete prêmios em Festivais (FIC Maracanãzinho, TV Excelsior, TV Record). Encerraram suas participações em Festivais após obter primeiro lugar no Festival Mundial da Venezuela, “Onda Nueva”, em 1972 com a música “Heróica” tocada por Zimbo Trio, interpretada por Sílvia Maria com arranjo do maestro Ciro Pereira. Vinte e seis países concorreram, bem como músicos de alta importância como Astor Piazzola e Dave Grusin. O júri era composto por nomes internacionais como Franc Purcel, Elmer Bernestain e Charlie Bird.
De 1998 a 2003 apresentou e dirigiu o “Programa Adylson Godoy - Vida e Arte” na Redevida de Televisão apresentando compositores, intérpretes e instrumentistas da música brasileira, levando mais de 200 artistas em rede nacional.
Possui mais de 150 músicas gravadas por nomes como Elizete Cardoso, Taiguara, Rosa Maria, Alaíde Costa, Silvia Maria, Maria Odete, Claudya, Walter Wanderley, Zimbo Trio, Elis Regina, Jair Rodrigues, Agnaldo Raiol, Márcia, Ronie Von, Leni Groves, Joe Pass, Nicolletta e Clara Nunes que se lançou em São Paulo no festival de TV Excelcior em 1966 com a música "Perdão".
No direito autoral, em seu segundo mandato, é presidente da ASSIM, Associação de Intérpretes e Músicos, fundada por Elis Regina, Théo Barros e Amilson Godoy; uma associação que tem a finalidade e preocupação de lutar pelo aperfeiçoamento do processo de arrecadação e distribuição do direito de autor.
Com sua filha, a cantora Adriana Godoy, apresentou-se na conceituada casa de música brasileira “Bar Confraria MPB”, em São Paulo. Completaram em abril de 2006, mil apresentações do show “Canto, Piano e Canções” .
Em maio de 2005, apresentou-se no Theatro Memorial da América Latina em São Paulo, a convite da Orquestra Jovem Tom Jobim, sob direção e regência do Maestro Roberto Sion, sua peça: “Rapsódia Nº 1 Para Piano e Orquestra” e algumas de suas composições populares, com arranjos de Roberto Sion, Débora Gurgel, João Linhares e Amilson Godoy, interpretadas por Adriana Godoy e Rozana Martinazzi. Participação especial da baterista Lílian Carmona e do guitarrista Rogério de Oliveira.
Como um de seus projetos, dedica-se a produção de seu Catálogo Musical. Apresentando sua obra completa: gravações originais remasterizadas, regravações, composições inéditas, songbook e DVD. Num total de mais de cento e trinta composições. Participam do projeto artistas renomados que fazem parte de sua história e intérpretes da noite de São Paulo que mantém ativa a cultura de nosso país.  http://www.adylsongodoy.com/

19/11/2010

18/10/2010

PRÓXIMO ESPETÁCULO _ PROMOÇÃO CONTINUA

CIDA MOREIRA CANTA "LEILÃO"

Composição: Hekel Tavares / Joraci Camargo

CIDA MOREIRA, A PRÓXIMA CONVIDADA

SOCORRO LIRA, paraibana, acompanhando-se ao violão, apresenta um repertório basicamente autoral: Martelo de duas pancadas, Intersecção, Das coisas que o tempo contou... além de temas tradicionais do Nordeste ou ibéricos, como Mulher Rendeira e Alalá das Marinhas.
A baiana IONE PAPAS abre a noite juntamente com Socorro, cantando canções de Noel Rosa entre outros autores contemplados em seu excelente repertório já conhecido do público paulistano.
CIDA MOREIRA, ao piano, brindará a platéia com canções do seu magnífico repertório: Time, de Tom Waits; Uma canção desnaturada, de Chico Buarque; Soul love, de David Bowie e O ciúme, de Caetano Veloso.  Em qualquer universo Cida Moreira transita com maestria. A surpresa é para a canção “Digas filha”, versão contemporânea de uma Cantiga de Amigo Medieval feita por Socorro Lira e que Cida canta no CD Cores do Atlântico, da paraibana, lançado na Espanha e em Portugal, este ano.

A ESTRÉIA FOI ASSIM

No dia 17 de outubro foi assim, com Socorro, Ione e Celia & Celma e uma platéia linda!!!








E-MAIL PARA LISTA E RESERVAS

Próximas etapas do projeto: Dia 24 de outubro, Socorro Lira e Ione Papas recebem Cida Moreira. Para reservas e lista amiga, escreva para sonaocantaquemnaoquer@gmail.com

NOTÍCIAS DO PROJETO NA REDE

http://www.sampaonline.com.br/cultura/espetaculo.php?id=17796

15/10/2010

PROMOÇÃO DE ESTRÉIA

O Piano de Dilma Rousseff

Por Rita Santana
            Os textos que circulam na internet contra Dilma são preconceituosos e colaboram apenas para a formação de uma sociedade machista e excludente. É tão preconceituoso quanto o discurso de Serra. A imagem da mulher ainda está associada a uma pessoa que tem necessariamente que ser doce, pudica e pacata. Nós, mulheres, somos sempre assim? Vocês se encaixam nos padrões de feminilidade divulgados pela mídia? Todas vocês são Cléo Pires, Luana Piovani ou Larissa Riquelme, a musa da Copa? Acho improvável! Eu estou bem longe desse padrão. Durante o primeiro debate do segundo turno, Serra continuou agredindo com ironias e sarcasmos a candidata e ela reagiu a isso, não como uma musa indefesa, mas como uma mulher com a sua história e o seu currículo poderia, e deveria, reagir: com garra, força, determinação e com fatos, dados, que nós mulheres sabemos empregar muito bem quando nos sentimos ameaçadas e insultadas. Infelizmente, os homens e muitas mulheres - o que é ainda mais triste - não suportam encontrar, no gênero feminino, pessoas combativas, como se todas tivessem que ser cândidas e suaves sempre. Um colega, que vota nela inclusive, perguntou se ela estava de TPM no debate! Recurso, aliás, bastante utilizado pelos homens para desqualificarem nossos discursos, reações, protestos, nossas palavras ríspidas e nossas insatisfações. Como se mulheres fossem destituídas de rispidez, fala, protesto e indignação. Não somos! Temos fala, senhores e senhoras!

       Existem mulheres guerreiras desde sempre no Brasil, podemos citar Maria Quitéria, que até hoje é honrada pelo exército brasileiro pelo seu heroísmo  durante a guerra pela Independência da Bahia e do Brasil, e que só foi ao campo de batalha porque se vestiu de homem e fugiu de casa. Após ser reconhecida pelos seus méritos de soldado, teve que pedir ao Imperador que intercedesse junto ao seu pai para que ele a aceitasse de volta. Nunca foi fácil ser uma mulher de luta, de combate. Não acredito que a moça tivesse gestos delicados e jeitinho de fragilidade que nos foram impostos por uma sociedade absolutamente machista; nem que fosse o tipo que se conformasse em ficar fazendo fofoca e bordados enquanto o destino do País estava sendo decidido. Dilma também teve que assumir uma postura durante a ditadura militar, e o fez quando foi absolutamente necessário e isso é motivo de orgulho para todas nós. Era preciso, como agora, interferir, lutar e utilizar armas que colaborassem para o crescimento e a liberdade do Brasil, não para o seu retrocesso histórico. A minha única arma é a minha escrita e meu voto.

       Um dos textos que circulam pela rede parece defender que a mulher deve ter um único marido, nunca se separar, nunca se aventurar em outros amores, nunca lutar por ideais políticos. E todo esse discurso, após tantos anos de conquistas, tantas lutas, tantas mulheres que morreram tentando provar o contrário?! Provar que somos capazes e que temos que quebrar as algemas sociais para sermos felizes, lutando pelos nossos ideais. Afinal, a felicidade não é uma receitinha pronta para simplesmente ser seguida, sem questionamento. A felicidade, às vezes, leitoras de Clarice Lispector, é Clandestina! A felicidade às vezes tem que ser guerrilheira, combativa, inusitada, variada, diversificada, inesperada, múltipla, herética e errática!

          O texto, que me moveu a escrever, é muito antiquado e feito para destruir a imagem da candidata Dilma. Entretanto, o que ele destrói é a imagem de Serra e dos seus comparsas que reproduzem o pensamento de que cabe à mulher um papel silencioso e submisso diante da história do País e da sua própria história. O período de ditadura, que vivemos no passado, não foi fácil e muitos ficaram aqui para lutar contra a opressão, de forma armada sim, porque era a única forma de combater aquele regime, ele sim, assassino. Corpos de guerrilheiros, artistas, jovens, escritores, pais e mães de família, militantes, ainda hoje são procurados por seus familiares. Viúvas ainda sonham em enterrar os seus mortos.

           Mulheres como Luíza Mahim, que participou da revolta dos Malês, aqui na Bahia, cujo filho Luís Gama, abolicionista, foi vendido ainda pequeno como escravo pelo próprio pai, certamente não são o tipo de mulher que a sociedade e algumas mulheres aceitem facilmente. Mas foram elas que fizeram a história. Foram mulheres que enfrentaram os olhares de repúdio e desprezo, os ataques e as calúnias, que construíram o País. Maria Filipa, negra, na ilha de Itaparica lutando capoeira e pensando de forma estratégica, conseguiu incendiar embarcações portuguesas e, assim, ajudar na nossa libertação. Mulheres assim são insubordinadas,  não se acomodam com a classe ou a casa confortável dos seus pais ou maridos, ignorando o resto da população miserável e oprimida. Mulheres assim participam de movimentos sociais, lutam, amam, separam, brigam, estudam, divorciam, amancebam, assumem postos de poder, escrevem, e atuam para a transformação social. Algumas delas assumem a Presidência da República e não podem ser jogadas na fogueira do preconceito por causa disso! Estão ateando fogo e jogando pedra em Dilma, cujo pecado é disputar a Presidência da República. A Inquisição já acabou! Quem são os inquisidores de hoje e que armas eles utilizam? A internet?

           Se não fosse a ousadia de uma Chiquinha Gonzaga, mulata, bastarda, não teríamos a nossa primeira maestrina capaz de compor músicas tão lindas, afinal, a sociedade do século XIX não aceitava mulher tocando o piano (vejam como o piano é velho e simbólico dentro da educação de mulheres no País), senão, dentro de casa e para o seu marido e os seus convidados. Ou seja, o piano era restrito ao espaço privado. O piano de Chiquinha queria mais! O piano de Chiquinha gritava para sair de dentro de casa e tomar as ruas, os bares, os boêmios, os negros excluídos da época. Porque a música que a interessava estava entre eles, produzida por negros. Isso era inaceitável para aquela sociedade.  Mas a música de Chiquinha exigia mais! E ela enfrentou e combateu a todos para seguir o seu talento, o seu desejo!

 Dilma também não aceitou administrar, apenas, a economia doméstica, como tantas de nós fazemos, e somos, até, elogiadas pelos homens por isso. Dilma regeu a administração do País inteiro ao lado do Presidente Lula, que preteriu a muitos nomes tradicionais do Partido, contrariou a muitos, inclusive a mim, no princípio, ao eleger como sua candidata, a sua preferida, Dilma. Certamente não o fez pelos seus encantos pessoais, nem pela sua beleza. Foi a sua competência que desviou o Presidente dos nomes esperados e sinalizados pelo Partido. Não deve ter sido fácil fazer essa opção, mas ele o fez com coragem e enfrentamento. 

Voltando a Chiquinha, era necessário ir pros botecos, tocar com os negros e abandonar os seus filhos, pois não poderia criá-los sem a estabilidade do lar e do marido, sem a aprovação social da época. Assim é Dilma! Ela não poderia ser tão competente, aos olhos do maior Presidente da história brasileira, o nosso cara, e limitar a sua atuação ao anonimato da burocracia do governo! Era pouco e o presidente Lula, nordestino, sensível, homem surpreendente e encantador, percebeu isso. Ela era digna e capaz de ocupar o posto mais alto do País, não pela sua beleza ou simpatia, mas pela sua capacidade de gerir, administrar áreas comumente ocupadas por homens. Ministra das Minas e Energias, liderando a Petrobrás, tomando conta da Casa Civil. Mas o povo e, particularmente, algumas mulheres queriam que ela fosse simpática, agradável, doce. Lembro que o nosso povo votou em Collor porque muitos (e muitas) o consideravam bonito!!! Lula teve que suar e o povo que sofrer muito até colocá-lo no poder, e ele iniciar uma revolução democrática no País. As elites, que são muitas, não se conformam porque a população pobre, negra está ocupando, também, espaços sempre destinados às classes sociais elevadas. O povo está nas Universidades.

          Com esse tipo de e-mail, estamos colaborando para o preconceito contra a mulher, contra a liberdade, contra a inteligência como um atributo feminino. São mães que estão negando às suas filhas a possibilidade de termos uma mulher, indicada por Lula, para dar continuidade às transformações sociais que as atingem diretamente. Suas filhas também serão mais respeitadas a partir de agora. Nós mulheres seremos mais ouvidas a partir de agora. Nossos discursos serão menos desprezados. Somos responsáveis pelos e-mails que enviamos e as ideias que eles divulgam. Leio os textos e vejo um exercício de manipulação dos fatos; vejo o retorno de um tempo tão longínquo (hoje eu já tenho 41 anos), onde propalavam que os vermelhos comunistas comiam criancinhas. Agora dona Mônica Serra diz que Dilma é assassina de criancinhas. Parece que essa gente subestima a NOSSA inteligência, a nossa capacidade de discernimento, a nossa capacidade crítica.

       Sobre o aborto! Dilma hoje já prometeu não enviar leis para serem aprovadas nesse sentido. O que é perfeitamente compreensível nesse País tão cheio de pudores religiosos, onde os evangélicos ocupam de forma acintosa tantos canais de televisão, fazendo uma campanha acirrada contra a nossa candidata, que parece encarnar para os fanáticos a própria Eva ou Lilith. Quantas mulheres conhecemos que praticaram uma vez na vida algum aborto? Conhecem alguma mulher pobre que morreu em mãos de açougueiros ou tomando remédios por conta própria? Eu conheço! E sei que ela não teria morrido se o meu País não fosse tão hipócrita e ela pudesse ter sido atendida por um médico de verdade, com assistência legal. Afinal, a sua “escolha” de não ser mãe, naquele momento, já era tão difícil, tão dolorosa e triste, pessoal e intransferível. A sua morte abalou a todos daquela comunidade. Um abalo silencioso e proibido. Que ela tivesse, pelo menos, assistência médica; que não fosse tratada como bandida, que não morresse. São mulheres cidadãs e trabalhadoras que muitas vezes recorrem a essa – única - saída. Quantas casadas, decentes, honradas, amadas, vocês conhecem que também já o fizeram correndo risco de morte? O risco deve continuar? Até quando? Em nome de quê?  O aborto legalizado ainda é um tabu nesse País de mulheres tão santas, católicas e evangélicas. País de não pecadoras! É hipocrisia considerar que não é preciso discutir a necessidade de adotarmos medidas de saúde pública  para conter o número imenso de mulheres pobres, negras e brancas,  mortas por praticarem aborto, pois as ricas têm assistência médica. É simples!

          Essa certamente não é a plataforma de governo de Dilma! Os seus planos para o País são estruturais e ideológicos e vão além. Mas o aborto é o alvo principal dos seus inimigos. Dilma não legalizará o aborto, fiquem tranquilos! Ela já o prometeu! Está prometido aos evangélicos! Aqui ninguém o pratica e ninguém morre assim, certamente os números alarmantes apontados pelas pesquisas são uma ilusão, um engano. Além do mais, somos muito católicos e evangélicos para pensarmos nessa possibilidade. Vejam que as pedras do velho testamento continuam sendo atiradas contra a Mulher. Jesus veio e enfrentou o apedrejamento, lembrem-se! A adúltera não foi morta, pois alguém tinha que atirar a primeira pedra. Alguém que nunca tivesse pecado! A mulher foi salva por Jesus Cristo, no entanto, o que é essa guerra conta Dilma senão um apedrejamento simbólico, tão selvagem contra o bíblico?! A sede da nossa sociedade de punir a mulher que desobedece às leis sociais, que peca por contrariar o desejo masculino, por invadir um espaço social, público, destinado aos homens. Peca por disputar o poder com um homem que fala em nome da moral e dos bons costumes, com o visível propósito de atingir a candidata, como se ela e a sua biografia não fossem dignas. Serra com a sua moral falaciosa! Um homem agressivo, acintoso, que utiliza do cinismo o tempo inteiro para atrair aqueles que também se querem virtuosos e virtuosas. Hipócritas! Gente com a sanha do apedrejamento, que deve ser um desejo coletivo inconsciente capaz de mobilizar as massas para grandes espetáculos mórbidos, como acontecia durante a Inquisição. Vamos ver as bruxas morrerem na fogueira! E se possível vamos apedrejá-las também!

A mulher que sai da toca e afirma-se como um ser pensante e participativo, que pega em armas como Maria Quitéria, como Anita Garibaldi, como Olga Benario. Elas são mulheres muito próximas de Dilma, parceiras, companheiras (aquelas que dividem o pão) e certamente jamais teriam como amante, marido, namorado, companheiro um tipo como José Serra. Certamente - e aqui vai o meu delírio utópico/poético - essas mulheres amavam homens intensos e verdadeiros, atraentes, sedutores e, principalmente, sonhadores. Homens que respeitavam seus discursos e acreditavam no direito da mulher de ser Grande. Certamente seriam homens que se orgulham do poder feminino e da sua capacidade de gerir empresas, como Dilma, e de gerar filhos, também como Dilma! Jamais um forjado Zé Serra capaz de divulgar esse tipo de pensamento sobre sua adversária política e de tratá-la de forma tão grosseira e deselegante. Um casca grossa!

Parece que a sociedade acredita na mulher apenas administrando a sua cozinha. Mas Dilma, Chiquinha, Luíza, Anita, Olga, Filipa, Quitéria, Joana Angélica, quiseram bem mais. O texto que me moveu faz alusão ao piano que Dilma tinha na casa dos pais. Moça de família! O piano foi a arma de Chiquinha Gonzaga, mas o piano de Dilma não respondia às necessidades de transformação social que ela aspirava. Por isso, certamente, Dilma, foi fazer política e suas armas foram e são outras. O falo da fala, como diria Maria Rita Kell.

      Um beijo, companheiras históricas de tantas batalhas que ainda temos que enfrentar! E que a fama de que nós, mulheres, não somos solidárias umas com as outras não seja consolidada nesse momento histórico do País. Sejamos solidárias com a competência de Dilma e com a sua qualificação para dirigir o nosso País. Em anexo, uma música de Chiquinha Gonzaga para abrandar e encantar nossas almas. Lua Branca é a música.

Esse texto chegou ao meu e-mail e fui recomendada a ler. Não veio a fonte, apenas a autora, publico-o nesse espaço porque o conseidro relevante para o debate nesse momento. Socorro Lira.

13/10/2010

04/10/2010

CELIA & CELMA

17/10/2010
Projeto "Só não canta quem não quer" - Socorro Lira e Ione Papas convidam a dupla mineira Celia & Celma.
LOCAL | Espaço Cultural Novo Lua Nova | Rua 13 de Maio, 540, Bixiga - São Paulo | SP.
HORÁRIO | 18:30Horas



São gêmeas?... É a pergunta que mais ouvimos na vida e para quem ainda tem dúvidas, somos, sim! Nascemos em Ubá, Minas Gerais, num dia 2 de novembro e lá crescemos. Nosso pai, Celidonio Mazzei, antes de se tornar um renomado fotógrafo da região, foi músico; tocava bombardino na banda de rua local. Mais  http://www.celiaecelma.com.br/historia/index.html


fonte: site oficial Celia & Celma

29/09/2010

LOCAL E DATAS

foto Divulgação
Dia 17 (domingo) de outubro, 18h.
Convidadas Celia & Celma
www.celiaecelma.com.br
Dia 24 (domingo) de outubro, 18:30h.
Convidada Cida Moreira
www.myspace.com/cidamoreira
Dia 20 (sexta) de novembro, 21:30h
Convidada Marianna Leporace
www.myspace.com/mariannaleporace
Dia 26 (sábado) de novembro, 21:30h.
Convidada Adriana Godoy
www.adrianagodoy.com.br

foto Isabel Leal
Serviço: Projeto ‘Só não canta quem não quer’
Local: Espaço Cultural Novo Lua Nova.
Rua 13 de Maio, 540, Bixiga, São Paulo, capital.
Reservas: 11 3263 1015; 9485 2216 (Mônica).

PRIMEIRA EDIÇÃO


foto Dilvulgação

foto Divulgação
Além da paraibana SOCORRO LIRA e da baiana IONE PAPAS, quem participa da primeira edição do projeto "Só não canta quem não quer": as mineiras CELIA & CELMA, a carioca MARIANNA LEPORACE, a paulista CIDA MOREIRA e a paulistana ADRIANA GODOY.

Com o propósito de se tornar um projeto itinerante e duradouro, os primeiros quatro saraus acontecerão no espaço da Espaço Cultural Novo Lua Nova, charmoso casarão localizado no Bixiga, um dos bairros italianos e dos mais divertidos da capital paulista.

O PROJETO


foto Isabel Leal


foto Val Portásio
 
Com o título inspirado no álbum 'só não toca quem não quer' de Hermeto Paschoal, o evento é uma espécie de Sarau idealizado e apresentado pela paraibana Socorro Lira, uma das mais expressivas compositoras brasileiras da nova safra (www.socorrolira.com.br) juntamente com a cantora baiana Ione Papas, artista conhecida e respeitada nos palcos paulistanos (www.ionepapas.blogspot.com) e tem a intenção de reunir, no mesmo espaço, artistas de diferentes vertentes da música popular brasileira. A finalidade principal é cantar, tocar e jogar conversa fora. A cada encontro um convidado ou convidada que cantará acompanhando-se com seu instrumento.
Na sua primeira etapa contará com as participações da dupla Célia &Celma (MG), Cida Moreira (SP), Marianna Leporace (RJ) e Adriana Godoy (SP). Com o propósito de se tornar um projeto itinerante e duradouro, os primeiros quatro saraus acontecerão no Novo Lua Nova, charmoso casarão localizado no Bixiga, um dos bairros de descendância italiana e dos mais divertidos da capital paulista.